Review: POMO

Na HQ POMO, o quadrinista Eryk Souza nos leva para um futuro distópico, onde um homem resgata e abriga ilegalmente um alienígena andrógino cuja nave caiu.

Enquanto tenta lidar com seus próprios desejos pela estranha criatura de outra raça, o círculo começa a se fechar ao redor dos dois, pois toda a cidade parte numa caçada odiosa contra o intruso.

Como acontece nos trabalhos de Luciano Salles, POMO te transporta para um universo tão doido que, ao acabar a leitura, você fica se perguntando se realmente entendeu tudo o que rolou ali.

Os desenhos nada convencionais de Eryk dão a sensação de que você está mesmo viajando para outra dimensão. E, nessa viajem, vale muito a pena caminhar devagar e admirar as paisagens, as personagens e cada detalhe dos quadros.

Apesar dessa loucura toda, o quadrinho está infestado de discursos que, infelizmente, conhecemos muito bem. Do tipo que controla as pessoas pelo medo e propaga ideias preconceituosas. Não tem como sair coisa boa disso, né?

Essa é uma obra que provoca muitas reflexões, então prepare-se direitinho antes de começar a ler, hein? Mas saiba que vai valer a pena!

A HQ foi lançada pelo projeto Narrativas Periféricas, que nasceu de uma parceria entre MinoChiaroscuro Studios e PerifaCon, com o objetivo de trazer as vozes da periferia para dentro do cenário de quadrinhos do Brasil, criando maior diversidade de narrativas e perspectivas.

Durante 8 meses, Eryk e mais cinco quadrinistas negros participaram de encontros presenciais num programa coordenado por Janaína de Luna, editora-chefe da Editora Mino, para desenvolverem seus processos de produção e divulgação de quadrinhos.

Você pode comprar POMO no site da Mino por R$ 35,00. Ou, se preferir, pode comprar o pacote com as 6 histórias lançadas no projeto por R$ 185,00.

Deixe uma resposta