Review: Paul Está Morto

Quando a Comix Zone anunciou que publicaria a HQ Paul Está Morto, dos italianos Paolo Baron e Ernesto Carbonetti, eu quase pulei de felicidade (como acredito que todo fã de Beatles tenha feito).

A obra é baseada na famosa lenda de que Paul McCartney teria morrido em um acidente de carro em 1966 e foi substituído por um sósia: William Campbell.

Obviamente, Paul Está Morto é uma obra de ficção, que retrata como John Lennon, George Harrison e Ringo Starr teriam lidado com a perda do baixista. Para dar mais profundidade, a HQ ainda conta com a presença do empresário Brian Epstein, do produtor George Martin e do engenheiro de som Geoff Emmerick.

Paul Está Morto - Review

O trabalho de pesquisa e cuidado que Baron teve para encaixar fatos e curiosidades no roteiro são notáveis. Durante a leitura vamos descobrindo ideias que a banda tinha para incrementar as gravações nos estúdios Abbey Road, bem como detalhes de relacionamentos e brigas que fazem tudo parecer mais “real”.

Mas o ponto mais alto da HQ é a arte de Carbonetti. Com suas cores vibrantes, o italiano conseguiu capturar bem a atmosfera mágica e psicodélica da época. Mais do que isso, ele explora e escancara muito bem os sentimentos de cada personagem, fazendo com que cada quadro vire um soco no estômago.

Dito tudo isso, talvez um leitor que não esteja familiarizado com a história dos Beatles fique um pouco perdido com Paul Está Morto. Mas quem se considera um verdadeiro beatlemaníaco vai ter uma viagem muito louca lendo a HQ, mesmo que a história não apresente muita novidade.

O fato é que a edição da Comix Zone tá muito bonita e vai ficar bem na coleção de qualquer fã da banda! Com formato 16, 7 x 24 cm, 120 páginas coloridas e capa dura, a obra custa R$ 59,90 e está disponível na Amazon e na Loja Monstra.

Momento da curiosidade:

Embora a lenda batizada de Paul Is Dead (Paul Está Morto) seja uma grande mentira, McCartney realmente se envolveu em um acidente em 1966 e acabou quebrando um dente.

Nos clipes de Paperback Writer e Rain, gravados após o ocorrido, dá pra reparar bem no sorriso avariado do baixista. Confere aí!

Deixe uma resposta